quarta-feira, 22 de março de 2017

COMO UMA NOITE DE NATAL...


EU ESTAVA ASSISTINDO UM FILME DE NATAL, e pensando em como toda essa magia está longe de mim...
É como se  eu tivesse perdido o encanto do " Espírito de Natal "... Não sei onde eu o deixei...
Eu gostava, amava, passar o Natal em família, quando toda a família estava reunida para o amigo secreto, ou mesmo quando todo mundo aparecia, e trocávamos de casas, várias casas, durante toda a noite de Natal... E de repente, todo mundo cresceu, tomou seu rumo, tá todo mundo muito sério e passar o Natal em família não tem mais o brilho que teve um dia... Mas não só isso! Eu assisto aos filmes de Natal, e revejo planos, ansiedade pela grande noite, e em mim eu não sinto mais isso... É como uma noite dos sonhos, e não sonho mais! Minha vida e as exigências da vida me tornaram muito prática, e detesto admitir que sou adulta não só na idade, mas minha cabeça também, e talvez até mais velha que minha idade...
Toda aquela esperança de que na noite de Natal vai acontecer algo extraordinariamente bom se foi com tanta coisa pra esquentar a cabeça... Estou aqui tentando lembrar qual foi o último Natal mágico... Faz tempo, talvez o de 2007, dez anos atrás, e eu mal imaginava o que viria...
Eu tinha medo de crescer, e hoje entendo porque... A gente cresce, e perde a cor... As flores murcham, e todo o tempo é cinza, frio e chuvoso...
A gente mal se permite sorrir, porque sabemos que o chorar vem logo menos! Poderíamos, por isso mesmo, viver as alegrias muito mais intensamente, mas, onde ficaram nossas alegrias?
Quando eu era adolescente, eu tinha certeza sobre tantas coisas acerca dos meus 30 anos... Acho que todos nós criamos uma grande expectativa sobre essa idade, e no fim, os 30 anos já passou, e nada daquilo que imaginei pra mim aconteceu... No começo causou frustração, mas passam-se os anos, e você continua atarefado, e olha pra trás e pensa: Foda-se! Mas aí, assiste um filme desse, e aquilo que você foi um dia retorna à superfície, talvez na tentativa de te lembrar o que você ainda é, lá no fundo... Mas, honestamente, não sei como resgatar!
Sabe quando todo mundo diz que a ficha caiu, lá do espaço, à respeito de algum acontecimento em sua vida? Eu diria que no meu caso, Saturno e seus imensos anéis caíram, e não sobrou nada de mim! Tudo não passou de ilusão da minha mente bonitinha: Família, trabalho, amizades, namorados, felicidade, PAZ... Eu poderia ter deixado pra enxergar a realidade lá pros meus 80 anos, mas eu sou acelerada, ansiosa, e me dispus a enxergar já, imediatamente, e ainda me sinto trouxa por ter demorado tanto pra enxergar tudo!
O engraçado é que quando somos crianças, o que nos faz feliz é uma roupa nova, e nosso brinquedo, algum presente de Natal... Daí crescemos, e não ligamos tanto assim pra presentes, queremos estar com determinada pessoa, aquela paixão, ou em determinada empresa com o cargo e salário desejados... Queremos viajar o mundo, conhecer tudo, todos e o que a vida tem para mostrar... Depois, só de passar em família está bom, e aí, beeeem depois, e essa deveria ser a fase final, desejamos apenas paz... Desejamos voltar a ser crianças e exigir tão pouco, afinal, brinquedos o dinheiro compra...
Se hoje, o " gênio da lâmpada de Natal " me perguntasse o que eu desejo, e só poderia ser um desejo, acho que, por um dia, voltar à minha infância... Eu não posso desejar nada pro futuro pois não sei o que essas realizações causariam em mim, mas, o passado, eu já sei que foi bom, e optaria por ele... Pela garantia de me sentir feliz! Mesmo que tudo voltasse a ser ilusão, mesmo que eu estivesse looonge de enxergar o que enxergo hoje, que eu estivesse naquele barraco, com meus três irmãos, meus pais, tias e primos, e uma noite feliz sem fim...
Nós, crianças, vivemos um constante conto de fadas... Tudo o que inventamos em nossas brincadeiras é encantador e nos traz entusiasmo... Já adultos, tudo o dinheiro compra, e é preciso engolir desaforos e suar a camisa para obtê-lo... E mesmo quando ele pode comprar tudo o que de material queremos, isso não quer dizer que estaremos felizes ao realizar... Na infância, imaginamos ser donos de uma mansão, um casarão com diversos cômodos, e adultos, eu pelo menos, se estivesse em uma mansão agora, mesmo sendo minha, decorada como eu quisesse e pagasse, com um belo jantar disposto pelos meus funcionários, rsrs, isso não me devolveria a magia do Natal que eu sentia na infância, quando tudo o que eu tinha era a minha família! A Michele criança nunca morreu em mim, e o dinheiro não pode me devolver o passado... Ele pode pagar tudo no futuro, mas não pode trazer meu pai e meu irmão, não pode comprar minha ingenuidade, nem minhas ilusões... Eu era tão mais feliz quando era iludida sobre as coisas da vida...
Daí " kabum ", eu estou no ano de 2017, tenho um Blog justamente com a intenção de fazer você acordar pra realidade... Pra quê? Pra ficar cinza igual à mim? Não seria melhor então eu parar com isso e deixar que todo mundo seja feliz em suas ilusões?
E você pode me perguntar como é que eu sei que o que eu vivo hoje não é apenas mais uma ilusão... Quando eu vivia de ilusão eu era mais leve - inclusive de peso, eu sonhava, eu sorria, eu confiava nas pessoas, eu acreditava nas coisas boas...
Hoje eu ainda luto pelo que acredito, mas, não estou certa se continuo acreditando com a convicção que já tive um dia... Sabe o " tudo vai dar certo " ? Rsrs, hoje a gente já sabe que nem tudo dá certo, e não precisamos mais mentir para nós mesmos... E ser adulto é exatamente isso... A ficha do " tudo não passou de um sonho " caiu, a realidade é sem graça sim, quando não dói e nos faz chorar, e se quiser bem, se não quiser foda-se... Quem se importa?


19.03.2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário