quinta-feira, 21 de abril de 2016

" É UM LIVRO QUE SE ENCAIXA... " - BY EDUARDO S/A


" INIMIGOS ÍNTIMOS = ' E porque atentas tu no argueiro que está no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho? ' - Lucas 6:41

ANTES DE LIBERTAR-SE dos conflitos e das limitações, devido ao estado evolutivo ainda acanhado, o homem procura combater e fazer guerras à vida alheia, estabelecendo um estado quase permanente de conflito social.
O ego é aturdido pelas situações que inventa para mascarar a infelicidade.Tem medo de amar e foge a qualquer manifestação de afetividade, embriagando-se nas sensações grosseiras e passageiras.
A busca da felicidade é sempre individual. Não obstante haja semelhança nos anseios das criaturas que buscam sua realização, a felicidade íntima guarda características particulares.
O ser perde seu tempo combatendo as manifestações de felicidade alheia, deixando que a inveja, o ciúme e o sentimento de incapacidade o dominem. Esquece-se de combater o inimigo que abriga no próprio íntimo. O tempo passa, e, sentindo-se insatisfeito, o homem deixa-se conduzir para os desregramentos emocionais, que mais tarde produzem o relaxamento da força interior.
Para sair desse estado aflitivo em que se enquadra, é necessário transferir o campo da luta, da parte externa, para dentro de si mesmo. O combate não é mais com a felicidade do próximo, que o incomoda; não mais com o sucesso ou a ascensão do seu semelhante. É preciso amar-se com perseverança, boa vontade, fé inabalável e empreender a luta contra esse estado de inquietude da alma.
Para auxiliá-lo, o homem conta com o poder da prece, que arregimenta forças e atrai energias poderosas. Revigorado pelo contato com os planos mais altos, eis que, depois de assimilar os fluidos imponderáveis do amor, amando-se verdadeiramente, sairá vencedor do batalha do Si. Este, o verdadeiro combate a que deve dedicar-se, com confiança em si mesmo. "



" DISCIPLINA = ' Sua mãe disse aos serventes: Fazei tudo quanto ele vos disser. ' - João 2:5

TODA REALIZAÇÃO SUPERIOR obedece a um planejamento. Nenhum trabalho que possa ser útil é fruto do acaso ou da desorganização. A indisciplina e a desordem não realizam progresso. Por mais que se observe movimentação no cotidiano, esse movimento não significa elevação.
É necessário verticalizar as obras humanas, dando sentido àquilo que se faz.
Muitos homens trabalham, estudam e movem-se sobre a superfície do planeta sem iluminar-se por um ideal. Ao fim da experiência física, encontram-se prisioneiros de indefinível angústia. O vazio em que se encontra é aumentado pela sensação de inutilidade. É que passaram pelo mundo ou o mundo passou por eles, e se definiram como robôs que faziam apenas aquilo para o que foram programados.
Foram moldados, construídos pelos cuidados dos pais, pela educação envernizada das escolas públicas ou particulares. Cresceram forjados para prosseguirem fazendo exatamente  que fizeram aqueles que os antecederam, oi aqueles que aprenderam a respeitar. Não planejaram a própria vida; não experimentaram viver além das aparências.
Produto da sociedade moderna, passam como sombras humanas, que, para não dizer que nada fizeram, aprenderam a comer, sobreviver e procriar, sem ascender à vida mais ampla da espiritualidade.
O homem matéria deixa-se então levar pelo curso das experiências que o envolvem, submergindo no mar das lutas e dos problemas humanos. O ser debate-se em meio aos entrechoques da civilização, entre os recalques das convenções estabelecidas pela sociedade contemporânea.
Nesse momento de perda de identidade e de dificuldades que se expressam nas experiências humanas malsucedidas, é necessário que o homem retorne para o Si profundo.
A retomada da identidade é de extrema importância para a felicidade. Ouse o homem ser ele mesmo, e não uma cópia imperfeita daquilo que já existe. Desafie o sistema que lhe é imposto e tente ser feliz, ressurgindo das experiências do passado m renovação de vida.
A dedicação a um ideal nobre e elevado é papel de urgência para o ser sentir-se realizado. A busca de novos valores, de uma vida mais digna e de um trabalho útil e consciente liberta o homem do atavismo  milenar a que se encontra jungido, escravizado.
O objetivo da vida é muito mais amplo do que realizar cópias malfeitas. É preciso ousar viver, experimentar, ser feliz e ser bom, O ideal renova a vida interior e sustenta os estados psicológicos elevados. Dedicar-se a algo em que se acredita, a uma tarefa em que representa um ideal de vida elimina muitos males e dá força nova à existência.
Todos tem algo importante a fazer, Que se faça a coisa certa, no lugar certo e na hora ideal. A obediência a um planejamento elevado e a uma disciplina é o que determina a natureza superior do nosso trabalho. "


Capítulos 23 e 24 do livro " SERENIDADE - Uma Terapia Para A Alma " - Alex Zarthú, através das mãos de Robson Pinheiro.
Este foi o livro que eu e meu irmão demos de presente de Dia das Mães para a dona Rosa em maio de 2014, e posteriormente comprei o mesmo para mim.
Alex Zarthú, o espírito, é um caboclo... E meu irmão foi levado por um deles, ao seu meio espiritual! Deve ser maravilhoso estar em meio a gente que fala nossa língua já que é detestável e repugnante estar em meio a gente preocupada o tempo inteiro com o que os outros vão pensar... Mas, eu ainda estou aqui, deve ter um bom motivo...
Não preciso dizer para lerem esse livro, se gostou desses capítulos, imagine o livro inteiro!


Tonight.

Nenhum comentário:

Postar um comentário