domingo, 4 de outubro de 2015

EU EXISTO PRA MIM !!!


2005 - HÁ EXATOS DEZ ANOS ATRÁS, EU ME DESPEDIA DA MICHELE BACANINHA, pra passar a viver de verdade! Foi o verdadeiro ano do meu nascimento...
Trabalhei até o último dia de junho, e estava no Shopping Center Norte. Eu já estava completamente desmotivada, não aguentava mais a vida de shopping, não aguentava mais ser vendedora e ter que pedir pelo amor de Deus pro cliente comprar... Não aguentava mais não saber usar o dinheiro que eu pegava, estar sempre muito cansada de tanto que eu trabalhava, e estava começando a ficar doente, ou pelo menos, parecer doente, desde o final de 2004...
Eu saí da empresa que estava, e os sintomas começaram a piorar... Só na segunda metade daquele ano, tinha tomado seis vidrinhos de Buscopan/Dipirona, por conta de dores intestinais, e não podia comer mais nada... Nada, tipo, nada!
Bom, como já falei muito sobre aquilo por aqui, tudo o que eu tinha nada mais era do que um alerta... Váaaaaaaaarios exames, e os médicos não encontravam nada! Eu tive que cair doente, mesmo que a doença - com sintomas físicos - não fosse física, pra eu olhar pra mim...
Na RedeTV, passava todas as tardes, o programa Encontro Marcado, com Luiz Antonio Gasparetto, e por ser filho da Zíbia Gasparetto, e naquela época eu ainda era Espírita, dei trela pra ele e fui ver no que dava, rsrs...  NASCI PRA MIM!!!
Aí, fui entender porque bruscamente parei de trabalhar e fiquei doente... Aí fui entender porque demorei pra me recuperar... Aí fui entender, que eu precisava parar literalmente, pra olhar pra mim, pra lembrar que eu existia, e que era meu DEVER cuidar de mim...
Eu não tive outra alternativa... Ele olhava pra câmera e dizia: " O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO AÍ DENTRO??? COMO PODE EXIGIR ATENÇÃO DOS OUTROS, SE VOCÊ NÃO SE DÁ ATENÇÃO? "... E ele me chacoalhou de uma forma que me despertou definitivamente, da hipnose humana em que eu me encontrava... Eu era parte do todo, e me sentia o todo... Não fazia idéia de que, como qualquer outro ser humano, eu era única! Não pensava por conta própria, mas procurava fazer tudo para agradar... Quantas e quantas e quaaaaaaaantas vezes, deixei de ser eu, de fazer o que à mim agradava, só pra ser legal para os outros?! Eu queria ser a melhoooooor filha do mundo para a minha mãe, tudo isso porque eu queria o amor dela, que nunca existiu! Não há nem haverá Michele que vai conseguir agradar a dona Rosa, porque ela não quer, e isso não é problema meu, quem está perdendo é ela!
Quantas láaaaaaagrimas custou, quanta água do meu corpo, pra entender que eu estava abrindo mão de mim por reconhecimento, afeto, carinho e atenção dos outros, mas eu não me dava! Eu tinha uma baixa auto estima elevadíssima, e por isso, quando eu fazia para os outros, era sempre em busca de ser um ser " de luz, lembrado com amor e respeito, no qual todo mundo deveria agradecer a existência ", rsrs...
Daí eu comecei a enxergar que as pessoas estavam acostumadas a me vampirizar, e só me usar! Eu não era amada, eu era útil, e só descobri isso quando comecei a dizer " não " !
Me revoltei contra o Espiritismo, contra a minha família, principalmente a minha mãe, contra a sociedade como um todo, contra o Governo e a Religião, enfim, contra tudo aquilo que de forma indireta, EU DEIXEI que abusasse de mim...
Rsrs, as pessoas olham fotos minhas hoje, em lugares legais, e se acham no direito de me julgar como bem quer, e de ter até inveja... Não fazem idéia, de que desde o ano que eu nasci, 2005, foram os dez anos mais sofridos de toda a minha vida!
Quando você nasce pra você, o mundo todo fica em segundo plano... E daí? Bom daí vem os comentários de que você não era assim, de que está mudada, de que alguma coisa está estranha em você, e tudo isso não passa de tentativas VÃS  de tentar controlar um trem sem freios, que você passa a ser desde que desperta do estado latente!
De 2005 a 2007, foram anos de estudo sobre mim, observação do passado e presente, minha baixa auto estima, Lei da Atração, Carpe Diem, exclusão de religiões na minha vida, problemas afetivos no geral, o que eu realmente queria profissionalmente na minha vida, crises com a família, saúde instável, um rebú!
2008, foi um ano difícil... Nós irmãos estávamos brigados com nossa mãe, e o clima em casa estava péssimo... Eu olho aquele ano, e vejo uma nuvem negra parada sobre nosso lar...
Nós éramos todos adultos, e estava difícil um aceitar a maneira diferente do outro ser...
Conforme eu despertei pra mim, eu queria que por obrigação, todo mundo também despertasse, e arrumei muita encrenca, principalmente com minha mãe, que faz questão, como uma ótima capricorniana, de fazer tudo para agradar aos outros, sem consultar sua verdadeira vontade... Queria que como eu, ela tivesse entendido como ela era importante, como era imprescindível respeitar as próprias vontades...
E quanto mais você procura, mais você acha... Muitas vezes sem querer ver, mas acha...
2009 foi o ano que mais fiquei doente, e não saía de casa nem pra ir na esquina... Comprei vários livros, entre eles, alguns do Calunga, falando através do Gasparetto, e me ajudaram demais... De forma simples e objetiva, sem querer agradar, mas ajudar, o Calunga conseguiu fazer eu confiar mais na vida, eu ter mais vontade de buscar minha melhoria, e se fosse pra ajudar alguém, que eu estivesse bem primeiro... Se vocês olharem as postagens do ano de 2009, vão ver uma Michele mais cordata, mais disciplinada, rsrs... A maioria das minhas postagens daquela época falava de coisas boas, de um lado otimista que eu queria que fosse permanente em mim...
Rsrs, e eu achei que, por causa de 2009, já tinha sofrido pra caralho na vida, AHÃ!
Em 2010, eu decidi sair da casa da minha mãe, e morar na minha tia, o que não foi muito diferente em termos de família, mas eu precisava respirar, e era uma coisa que estava difícil na casa da minha mãe... Eu e minhas irmãs já não nos falávamos mais, cada vez que eu jogava umas " verdades " na cara da minha mãe era treta, então era melhor partir...
Foi meio tenso, mas acredito que tenha sido a melhor decisão que tomei na minha vida!
Não é fácil ter tudo na mão, e do nada, decidir que vai cuidar de si mesma sozinha... Não só na área emocional e espiritual, mas financeira, profissional, material como um todo...
Se eu for mencionar cada detalhe bom e ruim desde 2010 pra cá, vou ficar até o ano que vem falando...
Mas, posso adiantar a todos que esses últimos cinco anos, inclusive 2011 - o pior ano da minha vida, foram os melhores anos da minha vida! Melhor porque nunca tinha crescido taaaaaanto, porque não fazia idéia de como eu podia me virar, mesmo nos meus piores momentos, de como alguma coisa na vida te defende e está do seu lado, orquestrando para que as coisas deem certo... Eu não fazia idéia de que eu não PRECISAVA de ninguém, que eu me tenho, que estou comigo, e enquanto necessidade, isso basta! Hoje sim, eu tenho condições de ajudar quem eu quiser, sem que pra isso, fique um braço ou uma perna minha com a pessoa... É foda se ver no chão, sem forças pra se levantar, e olhar um lado e outro e não encontrar nada nem ninguém! Ter que perder a fé pra passar a contar só consigo mesma... Parar de querer andar com as pernas dos outros, e valorizar as próprias!
Hoje, nada nem ninguém tem o poder de me derrubar, a não ser eu mesma! Eu sei, eu senti, eu experimentei na pele, perder tudo, inclusive sonhos e esperanças, pra poder passar a enxergar da maneira certa, a maneira que não vou mais me machucar! Olhar os outros como companheiros de jornada, não como steps a cada queda minha! NÃO TEMOS NINGUÉM QUANDO CAÍMOS! NINGUÉM, NINGUÉM, MAS NINGUÉM MESMO, é capaz de chegar a ter uma idéia do que é se ver sozinho, a menos que passe pelo mesmo! E sozinho principalmente, porque ninguém no mundo é capaz de te entender... Te jogar um rótulo é mais prático, dá menos trabalho...
Tudo, no decorrer dos meus 33 anos, concorreu para que eu fosse quem eu sou hoje!
Eu poderia, como qualquer mulher da minha idade, estar casada e com meus filhos, passando Natais com mesas fartas de comida, e presentes para todos... Mas, quem sabe a vida não veja em mim outros propósitos, afinal de contas, eu me dispus a ser guardiã da humanidade, desde que estou no mundo, e essa louca vontade que tenho de ajudar a todo mundo será mais útil sendo usada do que guardada numa dona de casa...
Minha vida material não está melhor do que já foi um dia...
Mas, nesses últimos cinco anos, eu aprendi o que em 33 eu mesma não conseguiria... E, claro, quanto mais aprendemos, mais sabemos que não sabemos de nada... Se algo foi descortinado, quantas milhões de outras coisas existem e eu ainda não as sei?
ANTES TARDE DO QUE NUNCA!!!

Now.

Nenhum comentário:

Postar um comentário