segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

UM PAPO COM PAULO COELHO...

Existem sensações que a mais alta patente do português é incapaz de traduzir, de explicar, de exprimir!
É como se, de alguma forma, expressando, eu quisesse diminuir o que sinto...
É apenas uma grandeza e... Uma coisa boa, que parece querer ficar só no peito mesmo, não quer subir...
Ah Paulo Coelho... Como eu queria que por uma noite eu tivesse a honra de bater um papo contigo... E te falar da minha Lenda Pessoal...
O tesouro que desejo encontrar não tem mapa... Não sei onde ele está!
Mas eu sei, que ESSA, entre todas as coisas, é a minha lenda pessoal, e que pra mim vale como o tesouro encontrado pelo pastor de ovelhas...
E por causa dessa Lenda, eu ouço, de todo mundo, por todos os lados, como se eu estivesse fazendo mal a alguém...
Eu sou uma mulher do deserto, que espera encontrar seu Alquimista, depois que ele encontrar a própria lenda... E livre e feliz, voltar pros meus braços!
E caminhar por essa areia quente machuca... E olhar pra um lado e outro e não ver nada corta as esperanças...
Você é um homem livre, porque conhece sua Lenda Pessoal, e conhece o Amor!
Gostaria de saber se o Amor é tudo isso que sinto no peito, que às vezes parece ser grande demais pro meu tamanho...
Sabe, Paulo, gostaria de convencer às pessoas à buscar o verdadeiro Amor... Largar tudo mesmo, deixar de ser hipócrita e embalo, e seguir seu próprio coração, que sempre anuncia o caminho a seguir...
Imagine um mundo onde o maior sonho das pessoas fosse viver pela Verdade, e pelo Amor!
Onde a maior saudade dos homens fosse daquela mulher do deserto, que ele deixou quando decidiu caçar seu tesouro... E, a saudade das mulheres fosse do homem que cruzou seu caminho pelas areias, e a pediu em casamento com as águas do poço como testemunha... Estupidamente, assustadoramente, e incrivelmente real!
Um mundo onde as ovelhas fossem respeitadas por seu pastor... Elas só querem água e comida!
Meu Alquimista está por aí, em alguma pirâmide, em busca de seu tesouro, o de seus sonhos... E quando voltar, finalmente estaremos juntos! Mas Paulo, até que isso aconteça, eu sou apenas a mulher do deserto...

Now.

Nenhum comentário:

Postar um comentário